Terça-feira, 26 de Junho de 2007

Piratas de Jagguariver

Somos todos piratas de Jaguaribe (ooops!!! do Caribe!). Entre ordem e a desordem, optamos por destruir binarismos. Se bem que a ordem dos piratas é fundada em moedas, ou melhor, na falta delas. E é bom lembrar uma nação é fundada em cima de uma única e viciada moeda: a linguagem-território. Somos piratas e a nossa pátria (se é que ela existe) é o mar. O mar com suas delícias e cromatismos, simbolismos etc. Mas também o mar com seus monstros bem humanos: o homem-polvo, o homem-tubarão entre outros membros do bestiário pós-nacional. Embarquemos no Pérola Negra e em todas as suas simbologias. Calipso e todas as suas selvagens forças incontroláveis, que nos assustam e seduzem. Netuno retraduzido em fêmea. Entre um naufrágio e outro, a busca do eterno porto. O baú da morte e da eternidade. Se bem que os ingleses, esses piratas de farda, tentaram. Mas os monstros marinhos do pós-colonialismo, o outro lado “mesmo” da moeda, venceram. E não houve civilização nem barbárie, somente o mar. Impenetravelmente feminino sem ser casto, o esquizofrênico mar nos dava limites. Limites nem por muito tempo aceitos. Então enfrentamos monstros de nós mesmos, o espaço e suas imaginações. Ainda não descobrimos a fonte de tudo. Será que ela se encontra em Cuba de Fidel ou na prisão de Guantánamo? A força dos homens jamais será desperdiçada. Com o nascer do sol, o mito sempre se renovará em outras histórias náufragas de sentido. O coração do pirata se esconderá num baú atômico os nos escombros de um 11 de setembro qualquer, apesar da morte. Um pê escrito a ferro, carne e fogo com as dores do mundo será nossa senha, para sempre nos lembrar que somos piratas. Assim, ao mercosul, nossa desunião será banquete na mesa do inimigo. Entre monstros que somos, alguém nos lembrará de uma canção esquecida e todos intuitivamente cantarão, ate que lhes seja roubada a voz.


publicado por novojornalismo às 01:29
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De sandraraquew@yahoo.com.br a 26 de Junho de 2007 às 20:02
adorei, deu até vontade de ler kafka, sabe que sou meio suspeita em comentar seus textos, mas sinseramente sei há tempos que vc escreve muito bem. E antes de ser apaixonada por vc me apaixonei primeiros pelos seus textos, lembra daquele inesquecível sobre Geração Beat, publicado nos anos 90, no Correio da Paraíba. Nunca o esquecí.
beijos
sandra raquew


De Érica a 21 de Julho de 2007 às 02:41
Olá, Carlos,

Gostei muito do teu blog e dos textos.
A realidade e a fantasia das coisas. O ser ou não-ser que leva o ser humano a questionar-se, ou melhor, a tentar partir para reflexões não-óbvias, para mundos além da nossa vã concepção... Enfim... É a vida nos mostrando suas várias faces.

Grande abraço, Carlos!


De astier basilio a 21 de Outubro de 2007 às 18:23
Primeira vez que velho aqui,
muito legal mesmo, Carlos.
Vou adicionar aos meus favoritos
Olha, estou com blog novo:
Desliguem Seus Celulares
(http://desliguemseuscelulares.zip.net)
se puder dá um pulo lá,
abração
astier


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. FRATICIDAS

. A palavra quebrada

. réquiem para o editorial

. Piratas de Jagguariver

. Kafka lia HQs?

. A voz da infância

. MAMÃE FAZ 100 ANOS

. bagagem lírica

. Transplantados

. Reptil Repetição

.arquivos

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds